A implementação de cobrança nos estacionamentos dos shopping centers resulta em valorização do ativo entre 5% e 20%. “A porcentagem varia em função do tamanho do empreendimento, da localização e do fluxo de clientes, entre outros fatores”, afirma Maurício Itagyba, gerente Sênior de Avaliação Imobiliária para Varejo.

Para dar início a essa nova linha de receita, o proprietário adota um modelo de análise até chegar a um valor de cobrança final e definitivo. Segundo Jadson Mendes Andrade, gerente de Desenvolvimento de Negócios em Avaliações e Consultoria Imobiliária, é por essa razão que geralmente no início do serviço o tíquete é baixo. Esse preço também pode variar sobremaneira de um empreendimento para outro. “Num shopping de uma cidade do interior, em uma região com número de visitantes limitado, o preço será sempre inferior a de um outro localizado, por exemplo, em um bairro nobre de São Paulo ou de grandes capitais, que conta com grande fluxo de clientes e com maior poder de compra”, afirma.

Em todos os casos, independentemente do tipo de empreendimento, é importante que o serviço sempre tenha uma gestão profissionalizada. “Caso contrário, a rentabilidade pode ser afetada”, finaliza Itagyba.