O mercado de condomínios logísticos do Estado de São Paulo registrou entrega de 125,8 mil m² de novos estoques em julho para as classes A e A+, o que representou um aumento de 32% em relação ao mês anterior. Em julho, a absorção líquida foi de 73,9 mil m² nesse perfil de empreendimento, contra uma absorção negativa no mês anterior de 8,6 mil m². Com o alto volume de entregas, a taxa de vacância alcançou 24,1%, representando um aumento mensal de 0,3 pp. Já os preços médios pedidos para locação ficaram estáveis em julho, fechando em R$ 19,1 por m² ao mês. “Essa pressão nos preços deve continuar até o final do ano, devido ao grande volume projetado de entrega”, afirma Jadson Mendes Andrade, Head de Pesquisa e Inteligência de Mercado para América do Sul.

No mercado fluminense, não houve entrega de novo estoque e nem absorção líquida no segmento A e A+ de condomínios logísticos no mês de julho. A vacância fechou em 29,3%, índice igual ao registrado em junho. Os preços pedidos também não sofreram alteração e continuam cotados em R$ 21,65 por m² ao mês. “Tivemos um mês sem movimentação no Rio de Janeiro, o que deve permanecer nos próximos meses devido ao período de eleições se aproximando”, afirma Mendes.