São Paulo confirma tendência de queda da taxa de vacância em setembro. No Rio de Janeiro, o índice cresce

A taxa de vacância no mercado corporativo Classes A e A+ de São Paulo registrou queda mensal de 0,58 pp em setembro, fechando o mês em 22,7%. “O volume de espaços vagos vem diminuindo ao longo deste ano, com exceção do índice de agosto, quando foi computada uma alta de 0,35 pp devido à entrega de um empreendimento na região da Chucri Zaidan”, afirma Jadson Mendes Andrade, Head de Pesquisa e Inteligência de Mercado para América do Sul.

A absorção líquida mostrou sinais de retomada e, apesar de menor do que a registrada no mês anterior (de 21 mil m²), permaneceu positiva em 18,3 mil m² em setembro. “JK e Pinheiros foram os destaques, com 11,7 mil m² e 7,5 mil m² de novos espaços ocupados”, explica Andrade. O preço médio pedido para locação por metro quadrado ao mês ficou no mesmo patamar do mês anterior, encerrando setembro em R$ 90,40.

O mercado corporativo de alto padrão do Rio de Janeiro encerrou setembro com uma taxa de vacância de 40,5%, um aumento mensal de 1,3 pp. O que puxou índice para cima foi a forte absorção líquida negativa de -21 mil m² na região Central em setembro. “Isso se deu em decorrência da saída da Petrobrás do empreendimento Venture Corporate – Torre Leste, no Centro, totalizando 22 mil m²”, afirma Andrade.

Apesar do cenário negativo e da elevada taxa de vacância, o preço médio pedido para locação por m² ao mês registrou aumento de 2% entre agosto e setembro, fechando o terceiro trimestre em R$ 105,90.