O mercado corporativo de São Paulo Classe AA+ registrou absorção líquida de 28,7 mil m² no primeiro trimestre do ano, contra 22,5 mil m² no trimestre anterior. “Esse resultado se deve a locações realizadas nas regiões da Berrini, da Paulista e da Chucri Zaidan”, afirma Gustavo Garcia, Head de Pesquisa e Inteligência de Mercado para América do Sul. O valor médio pedido para aluguel caiu de R$ 95,8 por metro quadrado ao mês, no final do ano passado, para R$ 92,7 em março.

A taxa de vacância ficou cotada em 25,3%, um aumento de 0,85 p.p em relação ao último trimestre do ano passado. “Esse crescimento ocorreu devido, em grande parte, à entrega da Tower Sigma, que representou mais de 60 mil m² de novo estoque na cidade. Esse negócio se destaca ao analisar a série histórica, já que uma entrega como essa não ocorria em São Paulo desde maio de 2016, com a Torre Sucupira”, explica Garcia.