O mercado corporativo de São Paulo Classe AA+ nas regiões CBD foi marcado por ocupações significativas no terceiro trimestre devido ao grande número de pré-locações que ocorreram. A absorção líquida foi de 68 mil m² e não houve entrega de novos empreendimentos. Como resultado, a taxa de vacância diminuiu 2,3 pontos percentuais na comparação entre os trimestres, fechando em 24,3%. Na comparação anual, a queda foi ainda maior: 4,1 p.p.

Apesar das recentes ocupações, o valor do aluguel pedido passou de R$ 99,2 por metro quadrado ao mês no segundo trimestre para R$ 98 no fechamento de setembro – uma queda de 1,2% entre os períodos. Em relação a setembro do ano passado, no entanto, houve crescimento de 2,4%.

“De acordo com nossa previsão, as novas entregas devem somar mais de 130 mil m² em São Paulo até o final do ano, o que poderia aumentar a taxa de vacância. Porém, o índice ficará abaixo do registrado no ano passado”, afirma Gustavo Garcia, Head de Pesquisa e Inteligência de Mercado da América do Sul.