Nesta data, mais do que parabenizar as mulheres, gostaríamos de mostrar, por meio de dados, o protagonismo delas na sociedade e no mercado de trabalho.

#ElasNaC&W

Por meio do WIN (Women in Network), a Cushman & Wakefield desenvolve e apoia os talentos das colaboradoras para que elas continuem a contribuir com impacto significativo sobre o desempenho da empresa.
Acreditamos que a diversidade e a inclusão são ferramentas essenciais para transformar nossas atitudes, nossa empresa e nosso segmento para o benefício de todos.
A liderança, as habilidades e a perspicácia de nossas mulheres são pontos fortes que a empresa pode aproveitar para conquistar novos clientes, atrair novos talentos e transformar percepções do setor em geral. Nós procuramos melhorar o treinamento de todos e fomentar novas ideias que respeitem, defendam e estimulem o sucesso das mulheres.

Nossa força está em nossas diferenças. E são elas que nos levam a um ambiente de trabalho mais equilibrado para todos.

#ElasNaChefia
Segundo o levantamento da Corporate Women Directors International (CWDI), as mulheres representam 6,4% da diretoria das 100 maiores empresas da América Latina. Entre os países latino-americanos representados no estudo, a Colômbia está na liderança, com 13,4% dos assentos no conselho das suas maiores empresas ocupados por mulheres, mais que o dobro da média da região. No Brasil, cujas empresas compõem quase metade das maiores empresas na lista, a média é de 6,3%. Empresas do México têm apenas 5,1% da representação no conselho feminino, enquanto a percentagem do Chile, de 3,2%, é a mais baixa na região .

Fonte: O Globo

#ElasNoTrabalho
Na América do Sul, o tempo médio gasto por mulheres com trabalho remunerado é de 19,3 horas semanais, contra 37,1 horas dedicadas às atividades não remuneradas. Já os homens dedicam em média 39,2 horas semanais com atividades remuneradas, frente a 13,3 horas para atividades não remuneradas. Esses dados mostram que além do trabalho, muitas mulheres ainda são totalmente responsáveis por fazer a gestão das atividades domésticas e pelo cuidado dos filhos na América Latina.

Fonte: Observatório de Igualdade de Gênero

#ElasNaPolítica
A cada ano, é possível observar o aumento do número de mulheres na vida política dos países da América Latina. Essa participação crescente cria oportunidades para que cada vez mais mulheres sejam também atuantes no processo democrático, tornando-o mais equilibrado.

Fonte: Observatório de Igualdade de Gênero

Fonte: Observatório de Igualdade de Gênero

#ElasNaEducação

Na Argentina o percentual de docentes do sexo feminino chega a  76%, no Chile, 74%, Peru, 63% e por último a Colômbia com 49,15%.

Fontes:

Censo Escolar 2018;
CENPE 2014;
INE 2017;
ENAHO 2016
Caracterización del Sector Educativo Año 2017