A Cushman & Wakefield vem registrando, no último ano, grande volume de pedidos de avaliações de imóveis rurais para fins de garantia, como forma de viabilizar financiamento das produções. Uma das razões desse cenário é a atual escassez de crédito. Tanto no caso de instituições financeiras, quando o empréstimo ocorre em dinheiro, quanto no caso de empresas, que fazem a operação com insumos, o valor da terra serve como lastro para garantir o pagamento.

As avaliações servem como uma medida balizadora para o tamanho da operação, já que o valor de mercado da terra indica a quantidade de recursos que pode ser emprestada ao produtor. Na análise é geralmente adotado um valor de liquidação forçada, que pressupõe uma rápida venda do ativo.

Segundo Leandro Freitas, gerente de Avaliações de Imóveis Rurais e Industriais, as partes envolvidas se beneficiam de um documento que atesta, de forma independente, o potencial da operação de empréstimo. “Eventuais obstáculos à execução da garantia também são indicados, como a existência de passivos ambientais, reservas legais ou invasões”, afirma Freitas.

A Cushman & Wakefield realiza avaliações rurais com uma equipe especializada de engenheiros agrônomos nas principais regiões produtoras do país.