O mercado corporativo de São Paulo Classe AA+ nas regiões CBD registrou absorção líquida positiva de 24 mil metros quadrados em outubro, índice menor que o de setembro, que encerrou com 26 mil metros quadrados. As novas ocupações acabaram pressionando a vacância para baixo. A taxa de espaços vagos fechou em 23,5% em outubro, contra 24,3% no mês anterior. Na comparação anual, a queda foi ainda maior: 4,6 pontos percentuais, o que indica uma movimentação no mercado paulistano nos últimos trimestres.

O valor médio para locação ficou cotado em R$ 98,4 por metro quadrado ao mês, um aumento de 0,4% em comparação a setembro. “Porém, em relação a outubro do ano passado, houve um incremento nos preços de 2,8%”, afirma Gustavo Garcia, Head de Pesquisa e Inteligência de Mercado para América do Sul.