O mercado de condomínios logísticos de São Paulo registrou no terceiro trimestre absorção líquida inferior à do período anterior, mas ainda assim positiva em 20,9 mil m². Isso se deve, sobretudo, ao fato da absorção bruta ter atingido 147 mil m², volume duas vezes superior ao registrado no trimestre anterior (74 mil m²).

Esse movimento reduziu a taxa de vacância 0,2 ponto percentual entre os trimestres (24,6% no terceiro trimestre, contra 24,8% no anterior). Outro motivo que está impedindo que a taxa de espaços vagos suba é a postergação de novas entregas. “Além disso, os proprietários estão mais flexíveis nas negociações, o que explica a redução do preço pedido do aluguel em 0,3% na comparação com o trimestre imediatamente anterior, fechando em R$ 19,3 por m² ao mês”, afirma Gustavo Garcia, Head de Pesquisa e Inteligência de Mercado para América do Sul.