A absorção bruta no mercado corporativo Classe AA+ de São Paulo, nas regiões CBD, foi de 74 mil m² no segundo trimestre, acima da média trimestral dos últimos dois anos, que foi de 59 mil m². No acumulado do ano, a absorção bruta atingiu 156 mil m² na capital paulista. Já a absorção líquida ficou em 44 mil m² neste trimestre, somando 82 mil m² no primeiro semestre do ano. Os dados constam do levantamento MarketBeat de Escritórios da Cushman & Wakefield.

“A movimentação de inquilinos de empreendimentos de Classe BB+ para os de alto padrão da região CBD de São Paulo ainda impulsiona a absorção do mercado AA+”, afirma Gustavo Garcia, head de Pesquisas e Inteligência de Mercado para a América do Sul. O nível das ocupações foi maior que o novo estoque entregue no segundo trimestre, pressionando a taxa de vacância para baixo, encerrando o ciclo em 24,8%, 1,1 pp menor que a apresentada no período imediatamente anterior.

O preço pedido médio apresentou uma queda de 2%, quando comparado ao trimestre imediatamente anterior, e 10,3% menor que o segundo trimestre de 2015, encerrando o ciclo em R$ 98,6 por m², menor patamar desde o final de 2012.